A Pele do Caos. Realidade ou Ficção?

Versos para o mundo a partir da imersão na arte de Andrei Tarkovsky.

Pelos olhos da humanidade o tempo faz o presente

Pés que não cessam de se mover

Dedos que não deixam de se tocar

Pele vibrátil


A arte esquadrilha e ladrilha sensações

Tempo e espaço da realidade

Da ficção


A dissolução de palavras ao vento

A mudez do século e da vida cotidiana

O sol que não pára de atravessar

Camadas sobrepostas de pó, desgraça, destruição


Arte física, arte quântica, arte do espírito

Arte sacrifício esculpindo a morte

Dando tempo à vida


Fala-se sobre arte

Prefiro a mudez

Dos sentidos

Dos por quês e dos para quês


Um espelho não reflete a totalidade do tempo

Os cacos e suas cicatrizes

Sim, formam o todo

Olhamos sem ver...

Verdades absolutas?


“Words, words, words”

A tagarelisse da civilização


Como leite estilhaçado ao chão

A guerra

Ordem contra o caos

Sobrevivência e fragilidade?

Como um corpo feminino?


Dê-lhes calmantes, terapias

Pão e bebida

Durmam para que passe o tempo

Sonhem

Realidade ficcional


Abrem-se os olhos em um instante do tempo

Os pés se afundam

Mortífero pavor


Solitárias parte de um corpo feminino

Queimarei solitária em tomada única

Do todo incendeiarei as partes

Eu, a Arte

Em 1 Ato, louco e passional

De esperança e fé

Em sacrifício


Contagem regressiva

10

9

8

7

6

5

4

3

2

1

Amém!


Por Dani Greco

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo